quarta-feira, dezembro 17, 2008

BOAS FESTAS

Alguns amigos, vêm aqui visitar-me regularmente.
Para esses especialmente e, para todos os outros que aqui passam, deixo os votos de um bom Natal.
O Ano Novo, esse será o que cada um quiser.
Por mim, quero continuar a ser feliz, e quero que todos o sejam.
Um abraço
Henrique

10 comentários:

Alice Almeida disse...

Olá, Henrique
Um bom Natal para ti também. Sê feliz todos os dias.
Bj
Alice Almeida

jorgesapinto disse...

Ficam também aqui os meus votos de umas festas natalícias bem ambientadas e recheadas de felicidade.

Um grande abraço.
Jorge Sá Pinto

Margarida disse...

olá Henrique

Que a felicidade que te acompanha ,se mantenha sempre a subir !
Um beijo de Felicidade para ti e todos os teus!
guida Peyroteo (Liceu da Praia Morena )

GED disse...

olá Margarida.
não te deves lembrar de mim. Eu era do Cubal,mas fizeste-me recordar do velho Liceu onde ia fazer exames. Namorei com a Isabel Mangas, um daqueles namoros dos 16 anos em que tudo é intenso. Ficamos bons amigos para o resto da vida. Se quiseres ver fotos do Liceu, clica na parte direita do meu blog em CANONHF.
Dou-te o recado aqui pois não tenhomais nenhum contacto teu.
Um abraço
Henrique

Fernando Matoso disse...

Caro e velho (de há mais de meio século) AMIGO HENRIQUE :

Retribuo os teus votos de um Natal muito Alegro e que o Novo Ano seja também o que desejares.
Iguais votos para os que te são mais queridos.

Um abração do
Fernando Matoso

kambuta disse...

Henrique, para ti e para todos os que visitam este espaço desejo uma Quadra natalícia de acordo com as convicções de cada um. Um abraço.

Margarida disse...

Henrique

Afinal ias só fazer os exames a Benguela !!!
Lembro-me bem de ti Henrique , da Beli´, e dos chocolate eram (2), ihihihhihihi.
Lamento tb estar a responder por aqui, mas não temos outro meio, pergunta ao "Jindungo" que mora perto de mim , que ele te dará o meu email.

Beijinhos e Festas Felizes .
guida peyroteo

Fernando Marta disse...

Será o Henrique um tipo porreiro?

Olá Henrique
Embora um pouco mais “novo?”…que a maior parte do pessoal que visita este teu blogue, só hoje descoberto por mim, não resisti a enviar umas “farpas”.
Vou contar aqui uma pequena passagem da minha vida.
Certo dia, do ano de 1966, creio eu, já não recordo muito bem (e não percebo porquê…, será da idade?), encontrava-me eu, infeliz, depois dos dois primeiros períodos escolares em Benguela, quando tive o “prazer” de conhecer o Henrique. Não no Liceu de Benguela onde passei aqueles descuidados e alegres 1º. e 2º. períodos do meu 1º. ano, mas sim no Colégio Eça de Queirós no Cubal, para onde os meus pais entretanto me transferiram.
Para as aulas, deslocava-me, à boleia da Drª Fernanda, no seu Ford Anglia, vindo, a contragosto, da Fazenda do Marco de Canaveses. Tive o “prazer” de conhecer o Henrique, porque, embora o pessoal me tivesse dito, quando ele muito despachado e com um nada usual à-vontade, entra na nossa sala de aulas: “É o Henrique, o filho mais velho da D. Cecília…um tipo porreiro…”, eu não achei lá muito, e sabem porquê? Porque a nossa querida professora, com uma mal disfarçada ponta de orgulho pela presença do seu primogénito, lhe pede para nos ditar uns apontamentos, ausentando-se de seguida. Este, não se fez rogado… e lá iniciou a “malfadada” tarefa, que eu tanto detestava, a uma velocidade tal que eu por preguiça, falta de hábitos de estudo e trabalho, não conseguia acompanhar…Vai daí, deixei mas é de escrever…fazia de conta… pois até estava em segurança, bem lá no fundo da sala, do lado esquerdo de quem está de costas para o quadro… e o fulano não se calava…mas, agora, também pouca diferença fazia…
Entra a D. Cecília, sobe ao “palanque”, espalha os olhos pela sala, como quem não quer a coisa, e diz:
- Ó Marta, no final, quero ver os teus apontamentos!
Irra! De repente, até já nem parecia assim tão rápido o ditar do Henrique, e no fundo, bem lá no no fundo, até era capaz de ser um tipo porreiro…

(Teria eu, já na altura, o tal sexto sentido?)

Um grande abraço

Fernando Marta

PS. A sala acima referida é, nem mais nem menos, aquela do rés-do-chão, do lado da Singer, onde na altura tinham aulas o 1º e 2º anos, e na qual um dia o Virgílio (se não me engano), para além de outro “serviço” resolveu introduzir uns pauzinhos na fechadura da porta, impedindo a sua abertura. Nesse dia, por falta de culpado ou acusado, a D. Cecília, furiosa como nunca a tínhamos visto, para nosso “desgosto” e “castigo”, não deu aulas!

GED disse...

Marta.
Grande prenda de Ano Novo, que me deste.
Um grande abraço.
Manda-me o teu email.
O meu está na nossa página do cubal: www.cubal.no.sapo.pt

Fernando Marta disse...

Henrique
Não foi nada de mais. Lembrei-me desta passagem ao dar uma olhadela ao teu blogue, que desconhecia e fez vibrar qq coisa dentro de mim, levando-me a escrever aquela passagem das nossas vidas. Por vezes vêm-me à ideia outras histórias, que não transcrevo. Mas, sabe bem, muito bem, deitar estas coisas cá para fora, pese embora a falta de hábito e o fraco jeito. O registar situações como estas, de África, falar ou escrever sobre pessoas que nos são queridas, “ou não” eh! eh!, é um bálsamo para a alma e um alívio para a mente. Só é pena nem sempre haver a tal disposição ou inspiração. E, se escrever me traz um grande alívio, este, é de seguida brutalmente diluído por um também grande problema, o pc, a informática, os blogues, os emails, toda essa trapalhada, onde já me vou movimentando, mas me dão ainda uma grande trabalheira fazendo-me perder um tempo incrível. Não imaginas o que transpirei ontem (hoje) para criar o raio do Blogue, até conseguir finalmente enviar-te a mensagem. Nem sei como consegui, depois de passwords queimadas, tentativa de inserção de Hotmails, Sapos, Gmails e o tal Blogue… Dá para ter uma ideia, pela hora registada…, Mas consegui!
O que não consegui ainda, e já tentei por diversas vezes, sem sucesso, foi enviar-te o meu email, para o www.cubal,no,sapo.pt, e que é o seguinte: fmartaneves@hotmail.com, ou o ressuscitado, ontem/hoje, fmartaneves@gmail.com .
Não quero aqui lamentar-me, mas eu sou tão bom , tão bom nestas coisas, que quando peço ajuda aos meus filhos, eles, pura e simplesmente, desaparecem…
Vou deixar-me de lamúrias, porque há coisas bem piores...
Desejo-te, e a todos os teus, um Feliz Ano Novo,
Com um grande abraço meu e um bj grande da Ilda (que já me desculpou a adiantada hora…)
Fernando Marta