quinta-feira, dezembro 20, 2007

NATAL


"O Natal não anda perdido por aí".
Obrigado, amigo Kambuta por lembrares isso.
Para todos os meus amigos, para todos aqueles que têm a infinita paciência de passarem por aqui, desejo um bom Natal.
Não se esqueçam que vem aí um Ano novinho em folha para utilizarmos como nos aprouver.
Pela minha parte desejo que sejam felizes.

Um abraço
GED

segunda-feira, dezembro 17, 2007

A MINHA TERRA

Já fiz muitos poemas à minha terra. Neste blog, a esmagadora maioria dos poemas são originais, escritos pelos respectivos autores que têm a fidalguia de os publicar aqui. Por isso, o poema que vou partilhar com vocês, e que constitui uma excepção às regras que impus, não foi escrito por mim nem por nenhum de vós.
Apenas gostaria de o ter escrito. Foi-me enviado por um grande amigo e, tocou-me bem fundo.

Quando te disse
que era da terra selvagem
do vento azul
e das praias morenas...
do arco-iris das mil cores
do sol com fruta madura
e das madrugadas serenas...

das cubatas e musseques
das palmeiras com dendém
das picadas com poeira
da mandioca e fuba também...

das mangas e fruta pinha
do vermelho do café
dos maboques e tamarindos
dos cocos, do ai u'é...

das praças no chão estendidas
com missangas de mil cores
os panos do Congo e os kimonos
os aromas, os odores...

dos chinelos no chão quente
do andar descontraido
da cerveja ao fim de tarde
com o sol adormecido...

dos merenges e do batuque
dos muquixes e dos mupungos
ds imbondeiros e das gajajas
da macanha e dos maiungos.

da cana doce e do mamão
da papaia e do cajú...

tu sorriste e sussurraste
'Sou da mesma terra que tu!'

Ana Paula Lavado
in ' Um beijo sem nome' do livro 'Vozes ao Vento'

sábado, dezembro 15, 2007

Homenagem ao Mestre Oscar Niemeyer

Caro Henrique,
Honrando o convite, gostaria de homenagear o grande Mestre da Arquitectura mundial, que faz hoje 100 anos . Para o efeito, relembro este poema e desenho do próprio, que demonstra bem a sua admirável personalidade.
























Poema da Curva
Não é o ângulo reto que me atrai.
Nem a linha reta, dura, inflexível,
criada pelo homem.
O que me atrai é a curva livre e
sensual. A curva que encontro nas
montanhas do meu país, no curso sinuoso
dos seus rios, nas nuvens do céu, no corpo
da mulher amada.
De curvas é feito todo o universo.
O universo curvo de Einstein.

Oscar Niemeyer (Fevereiro de 1988)

Já vos tinha dito antes. A generation next, mostra as suas garras e logo com um peso pesado, Oscar Niemeyer. Nem sabem como isso nos faz felizes. A mensagem foi bem passada e, agora já podemos ficar sossegados.
Ruca, um grande abraço e obrigado.
GED

sexta-feira, dezembro 14, 2007

EQUÍVOCOS

Henrique, aproveitando o desejar, a ti e aos que visitam este blog, um Santo Natal, aqui deixo escrito alguns:

EQUÍVOCOS DE NATAL


Celebrar com alegria e vontade
O nascimento do filho de Deus
Não está ao alcance dos camafeus
Que zunem este canto de crueldade.

Os que ignoram o conhecimento
De tais Divindades sentem bem
A dificuldade, sem ressentimento,
Em participar nesta festa do Além.

Para quem está preso e confinado
Ao castigo, merecido ou não, o Natal
Não é certamente por ele apreciado
E louvado da mesma maneira afinal.

Os que, por razões várias, não têm
Nem querem abrigo, o presépio
Que admiram é o que os mantém
A lutar para nada terem e sem pio.

Aqueles que não pediram, mas cuja
Saúde se vem aos poucos deteriorando,
A festa é de certeza muito mais sabuja
E incompleta dos que se vão alegrando.

Para a catraiada que nunca teve
Um presente, passado ou futuro
E que a existência é um alto muro
Íngreme no ódio que se manteve.

Para os que fabricaram estereótipos,
Esta Quadra tem um sabor especial
E contrariando o espírito de Natal
Só vêm lucros opulentos e atípicos.

Para os que usam a eterna esperança
Como bandeira ineficaz e invisível,
É uma catarse de tremenda confiança
Defendendo erradamente o previsível.

É mais fácil partilhar o vácuo
Esvaziado do que uma mesa farta
Mantendo o falseado «Status Quo»,
Trocando carinhos através duma carta.

Unem-se famílias na hipocrisia
Do ano inteiro, esbanjando gestos
Que mancham a estupenda alegria
Que vai morrendo, ficando de rastos.

Para os que se esqueceram de lutar
Colectivamente é acto individual
De aborrecimento bem descomunal
Tendo algo, para em comum, festejar.

Ah Natal, meu recordado Natal,
Os que te inventaram não mediram
As consequências e não exigiram
Que te mantivesses sempre divinal.

Tu, que deixaste de ouvir as preces
Do Senhor e os canticos sem sentido,
Tem calma, sossega e não te apresses
Pois o Natal não anda por aí perdido.

kambuta

um abraço

Kambuta: estás em tua casa. Só fico mais rico, ficamos todos, com a tua participação.
Um abraço
GED

quinta-feira, dezembro 13, 2007

REFERENDO - SIM, NÃO, TALVEZ, NUNCA!!!

Hoje ouvi declarações de um lente, Professor Doutor, luminária, vate da nossa sociedade, sobre o famoso referendo.
Dizia o senhor que referendo nunca, pois as matérias do novo Tratado de Lisboa eram tão complexas que não eram acessíveis a gente culta, quanto mais ao povo.
Este argumento exibido à exaustão, é do mais reaccionário que tenho ouvido e colocam-se de imediato várias questões que com toda a certeza continuarão sem resposta.

Afinal o referendo fazia ou não fazia parte do pacote eleitoral do partido no Governo?
Claro que fazia, mas só durante o período eleitoral, aliás, como muitas outras coisas.

Afinal, vamos ser governados por leis tão complexas que só uma “elite” as entende?
Parece-me demasiado perigoso, envolver-me por decisão destas luminárias, em algo que não conheço e, que certamente vai influenciar todo o meu modo de vida.

Quando um médico tem que fazer uma intervenção complexa num doente, não está obrigado por lei a explicar-lhe o mais claramente possível tudo o que vai fazer e tudo o que dessa intervenção pode advir?
E um pedreiro que me faça obras em casa? Não tem que me explicar direitinho o que vai fazer e quanto custa para eu poder decidir?
Por que motivo estes “gringos” podem actuar livremente em nome de todos nós?
Por que motivo, não dispendem algum do seu precioso tempo a explicar-nos o Tratado de Lisboa, como se todos fossemos loiros e burros?

Pois é. Estamos entregues a um destino que só parece estar nas nossas mãos, quando esta quantidade de gente nos vem pedir votos. E, não se iludam, isto passa-se com qualquer partido.

A minha questão final é: até quando vamos aguentar isto?
GED

quarta-feira, dezembro 12, 2007

CIMEIRA EUROPA - ÁFRICA

Delegações de oitenta países e representantes das Comissões da União Africana (UA) e da União Europeia (UE) reuniram-se hoje no Egipto, onde aprovaram um comunicado final e ouviram a Declaração de Lisboa, que será apresentada na Cimeira UE/África.O encontro que se realizou em Charm el-Cheikh, no Egipto, foi a última reunião ministerial antes da Cimeira de Lisboa, tendo os trabalhos sido abertos pelo ministro português dos Negócios Estrangeiros, Luís Amado, e pelo seu homólogo de Egipto, Ahmed Abdul Geid Luí Michel, bem como pelo ministro dos Negócios Estrangeiros do Gana e pelo comissário da União Africana pelos Assuntos Económicos, Maxwell Mkwezalamba.

..."A Cimeira UE/África, que reúne a União Europeia e a União Africana, oferece-nos uma oportunidade única para, em conjunto, enfrentar os desafios actuais dos nossos continentes, no ano em que celebramos o 50º aniversário da integração europeia e o 50º aniversário do início da independência de África", ...

..."Unimo-nos no reconhecimento das lições e experiências do passado mas também na certeza de que o nosso futuro comum requer uma abordagem audaciosa que nos permita enfrentar com confiança as exigências do mundo global"...

..."ultrapassando a tradicional relação de doador-recebedor, empreendendo uma estratégia de parceria política, construída na base de valores, preocupações e desafios comuns"...

..."Neste contexto, os ministros e chefes da delegação realçaram a relação histórica entre os dois continentes e a necessidade de continuar a desenvolver e reforçar a parceria entre a África e a UE, baseada nos princípios do diálogo construtivo e respeito mútuo", ...
A minha mãe tinha um comentário para este tipo de discurso, quando nós os filhos tentavamos arranjar alguma desculpa evasiva quando as coisas não corriam bem: "isso é conversa para boi dormir. Conta a verdade."
Hoje, reconheço-lhe toda a razão do mundo. Como diria Jô Soares: " eu não sou palhaço, mas estão me fazendo". Até quando?
GED

quinta-feira, dezembro 06, 2007

CONVIDADO DA SEMANA

A Sofia brinda-nos com mais um dos seus quadros. Este feito para uma publicação de um livro em Espanha. Só resta agradecer-lhe.

GED

CIMEIRA EUROPA- ÁFRICA

Vai acontecer dentro em breve. Com Mugabe, óbviamente, o que como princípio não é saudável.
A globalização tem destas coisas. Entendimentos com base estritamente económica, pondo o humanismo de lado. Aliás, falar em humanismo hoje em dia, faz de nós gente obsoleta, retrograda, parada no tempo. Felizmente, tenho a certeza de que com o tempo, a humanidade voltará aos carris. Vai é demorar muito tempo e entretanto gerar problemas sociais tremendos e agudizar os já existentes.
Esta cimeira, começa mal, vai correr mal e terminar pior.
Na agenda préviamente anunciada, não há espaço aparentemente para uma única palavra sobre o drama do Darfur. Provávelmente porque aquela região do globo não tem nada de interessante do ponto de vista económico.
Convida-se Marrocos que não pertence à Organização de Estados Africanos, mas não se convida a República Árabe Sarauhi, que por acaso pertence. Escuso de invocar as possíveis razões para isso.
Vamos ter cá o actual dono do Zimbabwe, mas aposto que ninguém comentará o que se passa naquele país.
Quando se fala em economia, petróleo, recursos naturais, etc, que se lixe o humanismo.
Vai correr mal, ainda que no fim digam que foi um sucesso.
Fiquem bem.

GED

quarta-feira, dezembro 05, 2007

LOCALIZAÇÃO

Frequentemente, de tanto me ouvir falar, há amigos que me perguntam onde é o Cubal.
Pacientemente, coloco as coisas no seu devido lugar.
Respondo que é um local situado a 12 graus de latitude sul e 12 graus de longitude oeste. E. pronto.
Mas, na verdade não é bem assim.
O Cubal, verdadeiramente situa-se dentro de mim, dentro de todos nós, novos e velhos, homens e mulheres e miúdos, brancos, negros e mulatos, que vivem actualmente ou que já viveram lá e, que tiveram a sorte de beber daquelas águas.
Suave veneno, que marca a fogo as almas de todos nós. Outros poderão dizer o mesmo das suas terras, mas verdadeiramente Cubal só há este. Real, virtual, mas vivendo para sempre em cada um de nós, fazendo-se presente em todas as horas das nossas vidas.
E, garantidamente não vai haver quem me desminta.
Um abraço
GED

quinta-feira, novembro 29, 2007

SINAIS DO TEMPO

Como qualquer português, de vez em quando sou dado a coisas estranhas.
Como estamos perto do fim do ano e, aproxima-se um ano novinho em folha para podermos estragar à vontade, resolvi mentalmente rever o que aconteceu nos últimos tempos. Pasmei!
Não aconteceu nada.
Do julgamento da Casa Pia, nunca mais ouvi falar.
Do apito dourado, sabe-se lá o que aconteceu.
Fátima Felgueiras? Já ouvi este nome em qualquer lado.
Mentalmente também, ocorreu-me espontâneamente uma frase do Jô Soares, de quem não sou particular apreciador: "eu não sou palhaço, mas estão-me fazendo"!
Tenham um bom ano. Estraguem-no à vontade.

GED

DESAFIO SOBRE A ÉTICA

Mais um amigo, neste caso amiga, que me/nos brinda com o que escreve. Fico devedor.
Um abraço
GED

Um convite não se recusa, e principalmente quando vem de alguém que aprendemos a respeitar.
Obrigada Henrique.

Fiquei uns dias a pensar sobre o que escrever e dei comigo a revolver velhos escritos.
Assim, resolvi repescar um texto que há muito havia escrito e transpô-lo para "este tempo" em que, como administradora de um fórum, procuro pôr em prática o meu pensamento sobre o que entendo dever ser um comportamento ético e as regras de convivência nesse e noutro tipo de espaços na net.

Para isso, me socorri das palavras de meu amigo Frei Betto, num belíssimo texto com o título em epígrafe.

"... foi Maquiavel quem sugeriu aos poderosos o princípio de que 'o fim justifica os meios'. Em seu famoso livro, O Príncipe, ele aconselha: "... e nas ações de todos os homens, e máxime dos príncipes, quando não há indicação à qual apelar, se olha o fim. Faça, pois, o príncipe por vencer e defender o Estado: os meios serão sempre considerados honrosos e por todos louvados..." (Frei Betto)

Percebo que para muitos um fórum é um espaço de encontro, de diversão, para outros, ainda, um espaço em que não deveria haver lugar para divergência de opiniões... como se todos devessem ser bitolados para pensar do mesmo modo, de forma a que não ocorressem discussões. A minha opinião é que um fórum deve ser um espaço plural... isto é, o espaço do "matar saudades", do encontro, da diversão, mas também de debate, de cultura, sempre com respeito pelas opiniões contrárias. No entanto, pensar e debater, com respeito e tolerância, talvez não seja o corolário que se segue na maioria dos casos.
Por outro lado, sabemos que "cada um é como cada qual" e, por isso, difícil é gerar consensos entre todos. Mesmo assim, a sã convivência, na divergência, é possível se nos esforçarmos.

"... Quando se lança mão de irregularidades, de difamações, de trambiques, de fato se está perpetuando a velha sociedade opressora em nome de ideais libertários..." (idem)

"... A vida social exige autolimitação de nossos impulsos, controle de nosso instinto, seleção de nossos valores e opções que sempre implicam renúncias. Não se pode escolher isto sem renunciar àquilo. Em suma, aos poucos, se forja em nós o comportamento ético." (idem)

A ninguém deve passar despercebido quão frequentemente nos depararmos com esta falta de sentido de "autolimitação dos nossos impulsos"! Alguns espaços na net são exemplos paradigmáticos em relação a esta afirmação.

Um fórum de discussão, apesar de ser um espaço virtual, é o espelho do nosso comportamento diário. E, provavelmente, não há quem, nas situações do dia a dia, não controle os seus instintos. As pessoas não agem por instinto e têm liberdade de escolha... No caso vertente, a escolha entre o responder e não responder... a escolha de ler ou não as intervenções de membros que, à partida, podem não ser do seu agrado... a escolha de se mostrar ou não tolerante...

Congratulo-me que no fórum que administro este "ideal" de participação venha sendo praticado. E porque é sempre dia de esperança, transcrevo o que um amigo, nessa altura, deixou:

"Canta, canta e canta!
Mata a mudez do conformado
Canta a plena alma a rebeldia
desassossega o menino sossegado
e diz-lhe que da noite se faz dia."

Maló de Abreu

terça-feira, novembro 27, 2007

INVERNO

Hoje estava um frio de morte.
Vesti-me a preceito, camisa, camisola, casacão, calças grossas e sapatos a condizer.
Fiquei extremamente desconfortável.
Pus os meus óculos de sol, que uso todo o ano, retendo a sensação de que o inverno ainda não tinha totalmente chegado.
Com enorme tristeza, guardei as t' shirts e toda a leve roupa de verão.
E, ainda há gente que tem a lata de me dizer que gosta mais do inverno.
O que vale é que em Fevereiro, vou em busca do sol.
Aguenta aí Angola, que eu estou a chegar.

GED

terça-feira, novembro 20, 2007

CONTOS VELHOS, RUMOS NOVOS




Nestas coisas de andarmos com tralhas às costas, vão-se perdendo muitas coisas, menos as lembranças, ou como se diz em Angola, a "lembradura".

Acontece que aqui há muitos anos, em 1981 eu fui ao Kuito, na missão de reunir com os clubes e associações desportivas, para a construção do primeiro documento legislativo sobre a carta desportiva de Angola, e a lei das associações desportivas, entrei numa loja que era a mais "compostinha" do conjunto de lojas de um prédio, que era o orgulho dos habitantes do Silva Porto colonial, e que passou a ser o emblema mais marcante da ferocidade da guerra desencadeada pela UNITA em 1992. Essa loja era "compostinha" porque efectivamente não vendia nada que pudesse ser utilizado pela população local; De facto esta loja pertencia à CDA (Companhia de Discos de Angola), uma fábrica de discos que existia em Silva Porto, e que salvo erro pertencia à Valentim de Carvalho. Entrei, e fiquei maravilhado com o que por ali vi, o que comprei, e o que tive pena de não ter dinheiro para comprar. Convirá esclarecer que na Angola daquele tempo, se não andássemos com dinheiro atrás de nós, não podíamos comprar nada, e nem o vulgar cheque era possível trocar (Em muitas dependencias do BPA nem o cheque visado em Luanda era aceite).

Foi uma das lojas mais fascinantes que vi em Angola depois da independencia, e aí para além dos Kiezos, Carlos Lamartine, Rui Mingas, Jorge Manuel, Elias, conseguia ter verdadeiras preciosidades, que só me apetecia comprar essa loja, que em tempos se chamou Auto-Reparadora do Bié. Entre vários discos avultavam discos do tipo Luis Aguillé do "Quando Sali de Cuba", o Gabriel Cardoso e a sua "Ericeira", o "Adeus Guiné", o "Kanimambo" do Tudela, para já nem recuar um pouco mais, senão chegaria às musicas preferidas por um topógrafo, que à frente de uma enorme manifestação, desafiou o governo português para pagar as compensações da descolonização (eheheh). Posso mesmo dizer que comprei lá um disco do meu querido e saudoso amigo, companheiro de tantas noites, o Mário Simões, que nunca vi vender em lado algum.

Podia continuar a falar dessa loja, e dos discos que por lá havia, mas o que aconteceu foi que encontrei um disco de José Afonso "Traz outro amigo também", e perguntei ao Laurindo (ex-jogador do Belenenses e Futebol Clube do Porto), que era na altura o delegado da Secretaria de Estado de Educação Física e Desportos, se sabia quem acompanhava o Zeca à viola? Ele dessabia, assim como todos os outros que por ali estavam a aguardar o início da reunião, inclusive o comissário municipal do Chinguar, terra donde o Carlos Correia, vulgarmente conhecido pelo Bóris (pela sua semelhança com Bóris Karloff, segundo Orlando Ferreira Rodrigues, que se assume como seu padrinho de alcunha) era natural.

O Bóris, andou pelo conjunto do Orfeon Académico de Coimbra, depois numa efémera passagem pelos Álamos e depois pelo conjunto académico Hi-Fi. O Bóris teve como companheiro até 1970, o viola-ritmo, Luis Filipe Colaço, um homem de Luanda, que foi durante muitos anos director do Instituto Nacional de Estatística em Angola. O Bóris e Luis Filipe Colaço, foram os violas do José Afonso no disco já mencionado , como tinham sido nos "Contos Velhos, Rumos Novos". Para além disso o Colaço ainda participou nos arranjos do disco de Adriano Correia de Oliveira, o "Canto e as Armas", uma verdadeira pedrada no charco na musica portuguesa, pois o bom do Adriano resolveu dar a voz a um livro proibido pela censura, de um Alegre que clamava por liberdade directamente de Argel, nos negros anos do fascismo em Portugal e colónias.

Resolvi trazer aqui este episódio do Kuito, para poder falar-vos de dois angolanos, profissionais enormes em áreas que nada tem a ver com a musica, mas que fazem parte de um movimento importante da musica de intervenção, e simultaneamente participantes em conjuntos que marcaram o rock português na sua fase pré-histórica.

"Álamos" surgem em 1963, quando José Cid (o próprio, o das "favas com chouriço") decide largar o conjunto do Orfeon Académico para fundar os Babies. Da primeira fase, fazem parte o Daniel Proença de Carvalho (guitarra), o Rui Ressureição (piano) e o Luis Filipe Colaço (guitarra).Em 1968, os Álamos com a saída do Proença de Carvalho (o tal advogado de ca$$os difíceis), à formação anterior junta-se o Carlos Correia (Bóris), o José António Pereira (bateria),José Luis Veloso (guitarra-baixo) e António José Albuquerque (órgão). Quando em 1970 se dá a fuga de Portugal de Luis Filipe Colaço, os Álamos acabam e dão origem com o Bóris e o Ressureição ao Conjunto Universitário Hi-Fi, com a voz feminina da Ana Maria.

Espero ter-vos feito recordar, aos que sabiam deste episódio do muito que se fez por angolanos na Coimbra dos anos 60, e aos que desconheciam que comecem a procurar o "Stop that game", que é o album de referencia dos Álamos.

Mais um amigo que se junta e nos brinda com mais um alicerce, na história das nossas vidas.
Fico-lhe agradecido e devedor.
Um abraço
GED

sábado, novembro 17, 2007

BLOGUE DO CUBAL

De repente recebo um email.
Alguém da "generation next", me diz que está a fazer um blogue do Cubal e precisa de ajuda para o desenvolver.
Só podemos estar orgulhosos e, ajudar.
Chama-se Ruca e é filho do Raúl e da Júlia.
Fica assinalado aqui nos meus links, como o blogue do Ruca.
Estou para ajudar e vocês não se estiquem, como é costume!!!
Um abraço
Henrique

sexta-feira, novembro 16, 2007

NOTÍCIAS DE LÁ

Vem com atraso, mas é para divulgar.

09/11/2007

O Ministério da Cultura (Mincult) procede hoje, durante uma gala a realizar-se no Cine Tropical, em Luanda, a entrega dos prémios das diversas categorias da edição 2007 do Prémio Nacional de Cultura e Artes.

Na disciplina de literatura foi atribuído o prémio à escritora Paula Tavares, pela sua obra poética "Canta o sonho de mulheres feridas e humilhadas", investigação em ciências humanas e sociais coube a António Fernandes da Costa, com "Roturas estruturais do português" e nas artes plásticas foi atribuído, à título póstumo, ao escultor e pintor Rui de Matos.

Na categoria de teatro foi premiado o grupo Horizonte Nzinga Nbandi, cinema e áudio visual à equipa do programa da Televisão Pública de Angola "Conversas no Quintal", enquanto que na disciplina de música foi contemplado o artista e compositor Elias dia Kimuezo.

O grupo Bismas das Acácias, da província de Benguela, venceu na categoria de dança.

CONVIDADO DA SEMANA - SOFIA ÁLVARES


O convite à Sofia terminou nesta magnífica aguarela, que lhe agradeço do fundo do coração.
Espero, esperamos outras. Não resisto à tentação de lhe mostrar o que poderia ser o original.
Um abraço.

GED




domingo, novembro 11, 2007

PARABÉNS POVO ANGOLANO

Que as festas do 32º ano com Nação Independente sejam lindas até de madrugada e que os sacrifícios do passado sirvam de exemplo para o vosso futuro. Um abraço de solidariedade.

sexta-feira, novembro 09, 2007

CONVIDADO DA SEMANA - PHWO - NO COMMENTS

Os meus amigos, não precisam de "drafts" nem de prazos. É com enorme carinho que os recebo aqui, agradecendo a todos a enorme gentileza de participarem.
Um abraço

GED

Há convites que não se podem levar a sério; há outros que não chegam a sê-lo; há uns mais discretos, outros menos, havendo ainda os convites para a dança. E quando chega a vez destes... acabam-se, para mim, as possibilidades de equacionar quaisquer outros.
Porém... aqui estou eu a aceitar o gentil convite do Henrique para escrever no seu blog, o que faço com muito gosto.
Ultrapassada a questão das formalidades, aparece logo outro dilema: sobre o que falar ou comentar, já que por aqui, em Angola, quase tudo usa a legenda "no comments".
Da baía de Luanda que está a ser submetida a aterros brutais para a “requalificação” da marginal, por exemplo? Talvez…
“Ao que parece” trata-se de uma obra pública, mas o cidadão não é informado, pelo que se permite especular à vontade, tentando desafiar a imaginação até aos limites.
“Parece” que a obra é privada pelo que ninguém tem nada a ver (ou a haver?) com os milhares de palmeiras importadas de Miami para a sua decoração (até porque são árvores “exóticas” não existentes em Angola). Mas… o que lucra um privado em investir no alargamento da marginal de duas para seis faixas de rodagem? No comments.
Consta que um projecto chumbado pela sociedade civil há alguns anos está de novo a tomar forma. Deixaram-nos poisar (a nós) e agora lá paira novamente a possibilidade de se fazerem umas ilhas no meio da baía de Luanda, com prédios e respectivo entourage de luxo (quadra para helicópteros também?). Comentários? No.
Fala-se que os clubes Náutico (Nun'Álvares) e Naval vão ser "partidos" e que um Museu de Arte Contemporânea vai ser edificado na ponta da ilha. Salitre? Nível freático das águas? Humidade? Nada que a tecnologia não resolva, seja a que preço for. A Barracuda já está no chão. “Dizem que” por casos em tribunal não resolvidos. Nada a comentar. Ninguém sabe, ou viu quem foi. De noite estava, mas já não amanheceu lá.
E pronto. Com esta dose de água (neste caso, de areia na Baía) que se está a meter, em nome do progresso, me despeço, desculpando-me por qualquer "coisinha”.
O ex-líbris da cidade de Luanda está a ser violado publicamente e… no comments.

Pwo

quinta-feira, novembro 08, 2007

COLONIALISMO?... NEM POR ISSO!

Em resposta ao primeiro post sobre este tema, telefonou-me um amigo, dizendo que eu era incorrigível. Ia buscar documentos de 1929 para cimentar a minha tese!
Chamou-me incorrigível, porque de facto é um dos maiores amigos que tenho. Outro qualquer ter-me-ia chamado filho da mãe ou coisa pior.
Mas vejamos.
Um documento de 1929, fica apenas a a 31 anos de distância de 1960. E reza a história que a ocupação durou quatrocentos anos!
No entanto podemos ir por outro lado.
Nos idos de 60, tinha eu 12 anos, muito perto de ser um "teenager" inconsciente, lembro-me com total clareza de algumas coisas que convido quem quer que seja a desmentir.
Vivia na maior área de sisal do mundo e, sempre que se iniciava a fase de colheita, transporte, desfibra e enfardamento de sisal, acontecia sempre o mesmo.
Centenas de negros presos à corda, eram levados para o "Posto", onde depois eram encaminhados para as diversas fazendas, para o "contrato".
O meu pai, como muitos outros pais faziam o que podiam, para ao menos soltarem aqueles que eram empregados.
E, eu sei do que falo, pois fui muitas vezes ao "Posto" levar o recado do meu pai.
Bem sei, que alguma coisa foi mudando. Na escola primária não tive nenhum companheiro negro.
Em todo o tempo do liceu tive dois.
Um felizmente encontrei-o numa ida a Luanda. O outro, só muito recentemente tive conhecimento do filho e soube que o pai tinha morrido.
É, meu querido amigo, sou mesmo incorrigível.
Mas mesmo com estas diferenças de opinião, continuo a gostar muito de ti.
E continuo a achar que esta história está mal contada.
A única coisa que é verdadeira e, isso sabemos nós, tem a ver com o facto de que apesar de tudo isto, sempre nos estivemos a marimbar para a cor de cada um. Andei a brincar e a lutar e à pedrada, com malta de todos os matizes e continuo assim. Eu pessoalmente apenas detesto o azul, por razões que não têm a ver com esta história
Um abraço

GED

quarta-feira, novembro 07, 2007

CONVIDADO DA SEMANA - KAMBUTA - NOITE DAS MEMÓRIAS

Olá Henrique, primeiro agradecer o teu convite para este espaço que está vivo, arejado e construído na noite. A seguir saltitar pela memória, o que me agrada bastante. Na infância houve factos e personagens que marcaram o meu porvir, vou recordar uma personagem desse rol:


POUCAS FALAS


Era um mulato matulão, calado e sombrio.
Estou a vê-lo sentado no muro que protegia
Um imenso quintal cheio de uma estratégia
Onde o Tavares aprendia, com tal brio
Que, nas raras ocasiões em que o som
Saía da garganta sentíamos um Homem-Bom.

Quando alguém lhe perguntava onde era a rua tal
Respondia de imediato: é na casa do Sr. Bom-Dia!
Se lhe gabavam o que tinha vestido, resposta fatal:
Comprei na casa da D. Carqueja, prima da azedia
E sogra da inveja! Os miúdos do bairro
Idolatravam-no no entardecer cianopirro.

Com ele estabeleceram uma curiosa relação
Em que a comunicação era feita por actos
E não de falas, em que se escutava o coração
Bem antes dos conspurcados dialectos,
Onde, sem pedir, existia uma protecção
Mútua, simétrica e rodeada de circunspectos
Rituais, imperceptíveis para os miúdos
Mas inatos naquele mulato de olhares barbudos.

Kambuta

Um abraço a todos os que aqui irão permanecer.

domingo, novembro 04, 2007

COMBÓIO MALA


COMBÓIO MALA ATRAVESSANDO O LENGUE

COLONIALISMO?... NEM POR ISSO!

É costume dizer-se que a passagem dos portugueses pelas ex-colónias foi diferente da de outros povos. Muita mestiçagem a comprovar isso.
E, tantas vezes se diz isso, que acaba por começar a parecer que é verdade!

Compro frequentemente livros antigos em alfarrabistas e muito frequentemente também, são livros sobre Angola. Veio-me ter às mãos, um livro sobre o Caminho de Ferro de Benguela, com provável datação de 1929 e, publicado com autorização do Conselho de Administração do C. F. B.. Aqui ficam alguns extractos desse livro.

...Os salões de primeira classe, com corredor lateral, comportam cinco compartimentos grandes e um compartimento pequeno, duas retretes, uma dispensa e varandas nas duas extremidades. O interior é de carvalho com guarnições em teca. Cada compartimento grande tem um lavatório de metal, cuja tampa constitue uma meza movel, cabides e redes para a bagagem. Todos os compartimentos teem campaínhas eléctricas cujo quadro indicador está instalado na despensa. Os salões de segunda classe, tambem com corredor lateral, comportam seis compartimentos grandes e um compartimento pequeno, uma retrete e varandas nas duas extremidades, iguais às da primeira classe. Cada compartimento grande pode comportar seis passageiros sentados ou seis deitados e tem mezas moveis com as disposições usuais.
As carruagens para os indígenas teem bancos fixos laterais e dois bancos longitudinais contiguos, moveis, ao centro. Tem retretes, torneiras com água para beber e uma varanda em cada extremidade.

Sobre o serviço de automoveis Angola a Katanga diz o seguinte nos regulamentos:
... não se transportam passageiros indígenas, excepto como creados, e isso apenas quando haja acomodação.

Sobre mão de obra diz o seguinte:
...Os indígenas de Angola são inteligentes e no Caminho de Ferro eles conseguem ser assentadores de linha, belos guardas de bombas de água, regulares artífices e bons telegrafistas. Há também alguns desempenhando funções de chefes de estação nos pontos menos importantes da linha.

Parece que afinal, aqui e ali, se vai vendo como fomos diferentes dos outros povos!

GED



segunda-feira, outubro 29, 2007

CONVIDADO DA SEMANA - MANUEL - QUEM MELHOR?...

O meu amigo Manuel, safa-se bem das "enrascadas". Amigo do meu amigo, meu amigo é, blá, blá, blá...
É o meu convidado e fico-lhe muito agradecido por isso. Políticamente correcto quanto baste!

“Quem melhor que o Manuel e Phwo para começar?”…

És um amigo, Henrique! Da onça… claro! Deixaste-me um menino nas mãos… melhor, (melhor não, pior!) deixaste-me uma folha em branco, com a obrigação de a preencher com palavras, pontos e vírgulas, unidos por um fio condutor, como convém, para se tornarem perceptíveis! E como se não bastasse, essas palavras, pontos e vírgulas têm a incumbência de inaugurar um novo espaço no teu blogue. Ora, isso, é bem mais difícil do que cuidar de um menino. Este “cala-se” e contenta-se com duas ou três locuções verbais carinhosas (claro), ainda que sem nexo, enquanto que é bem mais difícil de lidar com uma folha em branco, embora, é certo, esta não se queixe. Mas exige mais imaginação (quê dela?), mais talento (quê dele?), mais treino (eu, ultimamente, só tenho praticado ténis ao fim de semana. Mais nada…) e, no meu caso, como sabes, mais tempo, muito mais tempo. Por todas estas razões que deve dar o mote ao teu novo espaço é a nossa amiga Phwo (amigo do meu amigo meu amigo é) que não tenho o gosto de conhecer pessoalmente mas de quem, depois de uma breve vista de olhos pelo seu blogue, aprecio a escrita e de quem, parece-me, tenho também alguns pontos de vista diferentes – o que é saudável.

Um abraço.



segunda-feira, outubro 22, 2007

TRATADO DA EUROPA

Foi finalmente aprovado pelos Estados Membros o Tratado de Constituição Europeia, o que é diferente de ser aprovado pelos povos que constituem os ditos Estados.
E aqui é que as coisas se começam a complicar, já que os dois referendos feitos correram mal.
Demonstra-se inequivocamente que os povos têm dificuldade na maior parte das vezes, em rever-se nos governantes que têm, ou visto do lado oposto, os governantes não se revêm no povo que os elegeu.
Em Portugal atingiu-se o ponto crítico. Ouvi há dias um comentário estarrecedor, feito por alguém muito dentro da esfera do poder. Dizia esse senhor que era contra o referendo, pois este era muito técnico e muito pouca gente tinha capacidade para o analisar e, portanto estava bem entregue à decisão dos doutos senhores que nos governam. Esta opinião é estarrecedora por dois motivos.
Em primeiro lugar porque continua a vigorar na cabeça desta gente a ideia do povo burro e ficam muito admirados quando o mesmo povo burro os põe a mexer. É verdade que a leitura de um Tratado desta envergadura é muito complexa e que nem toda a gente está preparada para isso. Acredito no entanto que mesmo assim o povo consegue decidir pelo melhor.
Em segundo lugar, tal opinião define com clareza a situação actual, que por acaso não tem nada a ver com este governo. Tem a ver com as forças políticas em geral. Em vez de caminharem ao lado das massas, eventualmente liderando-as, estão completamente dissociados das mesmas.
Esta posição paga-se caro.Qualquer pessoa do povo o sabe. Aparentemente os doutos senhores é que não.
GED

domingo, outubro 21, 2007

OS RIOS DA MINHA VIDA

OS RIOS DA MINHA VIDA



Se repararem o rio é o mesmo. As fotos têm 40 anos de diferença.

COMUNICAÇÕES

Soube há dias, completamente por acaso, que vem gente que mal conheço ao meu blog e que por uma questão de delicadeza não deixam comentários. Temem que eu leve a mal!!!
Na verdade, logo no cabeçalho digo que venham e tragam mais cinco.
Fica mais vivo e mais rico de certeza com a vossa participação.
Fico a aguardar.

GED

segunda-feira, outubro 15, 2007

SEM COMENTÁRIOS

Durante um debate numa universidade dos Estados Unidos o actual Ministro da
Educação CRISTOVAM BUARQUE foi questionado sobre o que pensava da
internacionalização da Amazónia (ideia que surge com alguma insistência
nalguns sectores da sociedade americana e que muito incomoda os brasileiros).

Um jovem americano fez a pergunta dizendo que esperava a resposta de um
Humanista e não de um Brasileiro. Esta foi a resposta de Cristovam Buarque:

"De fato, como brasileiro eu simplesmente falaria contra a
internacionalização da Amazónia. Por mais que nossos governos não tenham o
devido cuidado com esse património, ele é nosso.
Como humanista, sentindo o risco da degradação ambiental que sofre a
Amazónia, posso imaginar a sua internacionalização, como também a de tudo o
mais que tem importância para a humanidade.
Se a Amazónia, sob uma ética humanista, deve ser internacionalizada,
internacionalizemos também as reservas de petróleo do mundo inteiro... O
petróleo é tão importante para o bem-estar da humanidade quanto a Amazónia
para o nosso futuro. Apesar disso, os donos das reservas sentem-se no
direito de aumentar ou diminuir a extracção de petróleo e subir ou não seu
preço.
Da mesma forma, o capital financeiro dos países ricos deveria ser
internacionalizado. Se a Amazónia é uma reserva para todos os seres humanos,
ela não pode ser queimada pela vontade de um dono ou de um país.
Queimar a Amazónia é tão grave quanto o desemprego provocado pelas decisões
arbitrárias dos especuladores globais. Não podemos deixar que as reservas
financeiras sirvam para queimar países inteiros na volúpia da especulação.
Antes mesmo da Amazónia, eu gostaria de ver a internacionalização de todos
os grandes museus do mundo. O Louvre não deve pertencer apenas à França.
Cada museu do mundo é guardião das mais belas peças produzidas pelo génio
humano. Não se pode deixar esse património cultural, como o património
natural Amazónico, seja manipulado e destruído pelo gosto de um proprietário
ou de um país.
Não faz muito tempo, um milionário japonês, decidiu enterrar com ele, um
quadro de um grande mestre. Antes disso, aquele quadro deveria ter sido
internacionalizado. Durante este encontro, as Nações Unidas estão realizando
o Fórum do Milénio, mas alguns presidentes de países tiveram dificuldades em
comparecer por constrangimentos na fronteira dos EUA. Por isso, eu acho que
Nova York, como sede das Nações Unidas, deve ser internacionalizada. Pelo
menos Manhattan deveria pertencer a toda a humanidade. Assim como Paris,
Veneza, Roma, Londres, Rio de Janeiro, Brasília, Recife, cada cidade, com
sua beleza específica, sua história do mundo, deveria pertencer ao mundo
inteiro.
Se os EUA querem internacionalizar a Amazónia, pelo risco de deixá-la nas
mãos de brasileiros, internacionalizemos também todos os arsenais nucleares
dos EUA. Até porque eles já demonstraram que são capazes de usar essas
armas, provocando uma destruição milhares de vezes maior do que as
lamentáveis queimadas feitas nas florestas do Brasil.
Nos seus debates, os actuais candidatos à presidência dos EUA têm defendido
a ideia de internacionalizar as reservas florestais do mundo em troca da
dívida.
Comecemos usando essa dívida para garantir que cada criança do Mundo tenha
possibilidade de COMER e de ir à escola.
Internacionalizemos as crianças tratando-as, todas elas, não importando o
país onde nasceram, como património que merece cuidados do mundo inteiro.
Ainda mais do que merece a Amazónia. Quando os dirigentes tratarem as
crianças pobres do mundo como um património da Humanidade, eles não
deixarão que elas trabalhem quando deveriam estudar, que morram quando
deveriam viver.
Como humanista, aceito defender a internacionalização do mundo.
Mas, enquanto o mundo me tratar como brasileiro, lutarei para que a Amazónia
seja nossa.
Só nossa! "

quinta-feira, outubro 11, 2007

CHE

Para alguns foi terrorista e assassino.
Para outros, muitos, foi santo.
Para a minha geração representou a solidariedade para com todos os oprimidos.
Cometeu erros como todos nós. Não reuniu consensos, mas não passou indiferente. Faz tempo que tentaram matá-lo. Não conseguiram.
Para mim, guardo-o na memória, com todo o carinho.
Será sempre El Comandante.
GED

segunda-feira, outubro 08, 2007

quinta-feira, outubro 04, 2007

PORTUGAL NO SEU MELHOR.

Inicio hoje esta nova rubrica.
Na zona de Sintra a população ganhou no Supremo Tribunal Administrativo uma queixa contra a REN ( rede eléctrica nacional), tendo a esta entidade sido ordenado que suspendesse de imediato as obras para a passagem de uma rede de muito alta tensão.
Qualquer cidadão minimamente informado, sabe que os campos electromagnéticos são prejudiciais à saúde, tendo-se estabelecido uma relação de causa efeito entre os mesmos e diversas doenças conhecidas.
Onde é que tudo isto falha?
Em todo o lado claro.
Primeiro porque sabendo-se disto, jamais uma empresa de um país civilizado colocaria redes em locais com evidentes prejuízos para a população. Segundo porque num país civilizado, uma ordem de um Tribunal é para acatar. O que a REN diz, é que enquanto puder vai recorrer e continua a montar postes.
Terceiro, porque num país civilizado, se as ordens do Tribunal não forem imediatamente cumpridas tem de haver mecanismos, que mesmo que envolvam a força, obriguem os delinquentes a cumprir.
Quarto, porque num país civilizado, o governo em vez de se calar, deveria imediatamente fazer cumprir a ordem, já que se trata de uma empresa pública.
Sem mais comentários, sou eu outra vez a divagar devagar.

A Federação Portuguesa de Futebol, enbandeirou em arco, porque conseguiu reduzir a pena do Snr. Scolari e, ainda pensa que poderá recorrer de novo, com a alegação de que afinal o treinador da Selecção Nacional não tocou no outro atleta e portanto não houve agressão.
O que é que isto faz de nós?
Um país da treta claro.
Os milhões de telespectadores por esse mundo fora, só podem rir-se com o que sai daqui.

Para quem como eu desespera, aconselho vivamente este vídeo do Youtube. Aquece-nos a alma, dá-nos uma réstea de esperança e faz-nos pensar que nem tudo estará perdido. Não comento, para que a surpresa seja maior. Mas que é bom, é!

GED

terça-feira, outubro 02, 2007

FUTEBOL

Volto ao futebol. Pelo seu lado pior, claro.
Já o escrevi, mas volto a dizê-lo. A única maneira de tomar posição é deixar de ir aos jogos.
O espectáculo vive das "estrelas". Se jogarem bem são os melhores do mundo. Se jogarem mal, a culpa é dos treinadores e, nem pensar em ferir as susceptibilidades das prima-donas. Estão psicológicamente mal, atravessam um mau momento e o que é necessário é criar-lhes um clima de tranquilidade. No fim do jogo vêm à televisão dizer que deram tudo, que para a próxima farão melhor e o povo acredita.
Sei que isto mexe com paixões, eu também adoro futebol.
Agora vejamos o outro lado da barricada.
Que margem existe para o erro ou desempenho menos bom, de um polícia, ou arquitecto, ou engenheiro, ou médico ou juíz, ou pedreiro ou... que ganham substancialmente menos?
Nós sabemos o que acontece nestes casos!
Longe de mim estar a defender uma atitude corporativa, e também não defendo óbviamente nenhuma margem de erro para estes profissionais, mas o futebol só será um espectáculo fantástico quando as pessoas perceberem as semelhanças entre os dois tipos de jogos.
Dir-se-á que é mais uma opinião "naif" da minha parte, mas não penso isso.
A desculpa e a irresponsabilização colectivas, nunca nos conduziram nem conduzirão no futuro a nada de bom.
Leiam Nietschze. Está lá tudo explicado.

GED

domingo, setembro 30, 2007

OS RIOS DA MINHA VIDA


RIO KWANZA

sábado, setembro 29, 2007

SELO HISTÓRICO


Toda a gente se lembra. Uma humilhação na altura, mas... sempre pensei nele de outra maneira: United colors of African People

sexta-feira, setembro 28, 2007

OS RIOS DA MINHA VIDA


RIO CATUMBELA

OS RIOS DA MINHA VIDA


RIO CUBAL

quinta-feira, setembro 27, 2007

quarta-feira, setembro 26, 2007

DESMONTANDO E RECONSTRUINDO A IDEIA DE LUSOFONIA

Li recentemente este texto de Mia Couto, num blog de uma amiga minha. Já o conhecia, mas valeu a pena relê-lo.
Há ideias fundamentais nele. O lugar comum, " a minha pátria é a minha lingua", torna-se menos prosaico aqui.
A ideia de uma lusofonia saudável, só pode ser feita destruindo (desmontando), tudo o que foi passado, sem conotações colonialistas anteriores ou actuais. A lusofonia não é apenas um estado de espírito, é uma ferramenta absolutamente imprescindível para nos entendermos se for caso disso ou para nos desentendermos, mas mesmo aí saberemos com exactidão o motivo que nos leva a isso.
Digo muitas vezes que só consigo expressar os meus sentimentos mais profundos, na minha própria lingua. Através dela, dizemos muito mais do que a frase encerra.
Não pode haver lugar, principalmente aqui, para o "black ou white power". Nesta zona, como em todas as outras, mas principalmente aqui o que conta é a "united colors".
Além do mais como diz magistralmente Mia Couto, não foram os países africanos de expressão portuguesa que se descolonizaram. Fomos todos, mas infelizmente em toda a pátria de lingua portuguesa, ainda há quem pense o contrário.
É nessa gente que se deve centrar a nossa luta. Combatê-los, trazendo-os para o nosso lado. Como diz um amigo meu, não falemos de lusofonia, falemos apenas e sempre de lusosinfonia.
É que, além do mais em termos estritamente linguisticos, a "mestiçagem" sofrida pela lingua portuguesa em todos os locais onde se fala, tornou-a muito mais rica.
Que se danem os puristas.
GED

BIRMÂNIA

A imprensa internacional, tem noticiado à exaustão e a comunidade mundial tem vindo a endurecer posições. Ainda bem.
Quando um povo decide que não quer os seus opressores, não há nada a fazer. Mais cedo ou mais tarde livra-se deles. Não há um único exemplo do contrário.
Só não se entende muito bem, porque é que as ditaduras teimam em aventurar-se para um fim, de antemão conhecido. Ou se calhar entende-se.
Sou eu apenas a divagar, devagar.
GED

quinta-feira, setembro 20, 2007

MOURINHO

Mourinho já não está aos comandos do Chelsea.
Nada mais normal. A vida é feita de ciclos e mesmo o "special one", tem que se conformar e adaptar a estes ciclos.
Num fórum da TSF sobre este assunto, ouvi coisa do género: "ele é um dos melhores treinadores de mundo e fundamentalmente é um dos melhores condutores de homens deste planeta".
Os portugueses são assim. Excessivos. É genético, não há nada a fazer.
Quando amam, amam e, quando odeiam fazem-no com o mesmo ardor.
Não há lugar para cinzentos.
Povo de excessos. Na maior parte das vezes corre mal!.

GED

quarta-feira, setembro 19, 2007

AQUECIMENTO GLOBAL - CLIMATE CHANGING

Não comento o texto. Já o fiz à exaustão.Leiam, comentem-no vocês!"...Atingimos um patamar e enfrentamos duas alternativas: uma é demasiado terrível, e a outra dá-nos a possibilidade à justa de continuarmos a crescer e a prosperar, mas dentro dos limites ecológicos do mundo que habitamos....As alterações climáticas representam uma ameaça para a civilização tal como a conhecemos. Constituem um problema para todos nós, e não apenas para um pequeno grupo de activistas ambientalistas ou para uma elite de decisores políticos internacionais. os governos e as indústrias, em particular, terão de assumir um papel de liderança corajosa e vital. As soluções, no entanto, não se encontram apenas no domínio dos recursos políticos ou técnicos. Se queremos ganhar a guerra contra as alterações climáticas, teremos todos de tomar parte nela...(in Os Senhores do Tempo - Tim Flannery)
GED

CHRISTIAN AID


CHRISTIAN AID:
Até 2050, mil milhões de pessoas migrarão para outros locais, apenas devido às alterações climáticas, agravando conflitos existentes e criando novos conflitos nas áreas de deslocação.
Em 2080, 3.2 mil milhões de pessoas não terão água suficiente.
A subida das águas dos oceanos, afectarão sete milhões de pessoas e, muitos países actuais desaparecerão.
Há povos inteiros, comprando cotas para se deslocarem para outros países.
O pesadelo está aí.
Não serve de nada fingir que não o vemos, como não serve de nada achar que são os governos que têm de fazer alguma coisa. Quer o façam, quer não, está nas nossas mãos dar uma ajuda decisiva.
As cidades devem através dos seus habitantes, começar a pensar em organizar-se e, obrigar os seus responsáveis a participar activamente nesta luta.
GED

segunda-feira, setembro 17, 2007

quarta-feira, setembro 12, 2007

CASO MC CANN

Comento-o pela primeira vez e, colateralmente.
Se alguém tinha como firme, a ideia de que existe Europa, desengane-se. Assistiu-se e assiste-se a um espectáculo que ronda a xenofobia entre povos, mediada claro está pela imprensa de diversos países. Nem a paternalista imprensa inglesa ou a desvairada imprensa portuguesa, nem os cidadãos dos respectivos países saem limpos disto. Muito se irá escrever ainda.
Que dizer da multidão de gente que choramingou e pôs flores à porta da casa, tanto aqui como em Inglaterra e que ao primeiro sinal de dúvida, saltou em histeria acusando aqueles que uns dias antes idolatrava. Como seres humanos, têm todos um longo caminho pela frente, e a maior parte jamais o conseguirá trilhar.
A miúda desaparecida há muito que ocupa um lugar secundário neste teatro triste e degradante da condição humana. E é pena, pois no fundo só ela importa. Quero acreditar que a nossa polícia continua a importar-se.

GED

terça-feira, setembro 11, 2007

10 DE SETEMBRO

Ontem foi-me impossível vir aqui, mas não quiz deixar passar data tão importante.
Em tempos muito distantes ( so far away...) era o primeiro dia de aulas, um mês mais cedo que na Europa, para podermos gozar aquele mês de Março inteirinho! Era também o primeiro dia das chuvas gordas da minha adolescência.
Fica o registo.
Para todos os muanhas, principalmente os mais tementes a Deus, ou no caso presente à D. Cecília.

GED

sábado, setembro 01, 2007

sexta-feira, agosto 17, 2007

UM AMIGO MEU

Um amigo meu, daqueles muito antigos que temos e, que guardamos no lado esquerdo do peito, criou o seu próprio blog.
Em boa hora o fez, para que possamos partilhar o tanto que ele tem para dar. No caso presente falo de pintura, já que se trata de um pintor conceituado. Tem poesia à mistura o que só beneficia quem lá entra. Não deixem de visitar. Está assinalado neste meu blog como NECAS.
Divirtam-se.


Um abraço
GED

terça-feira, agosto 14, 2007

HISTÓRIAS DA MINHA VIDA

Foi há alguns anos, quatro ou cinco se a memória não me falha.
Através de amigos comuns, via Internet, apareceu-me no consultório vindo dos confins de Angola, com uma história espantosa para contar.
Ao primeiro contacto, ficamos amigos. Nem podia ser de outra maneira, já que eu também sou angolano, daqueles que vivem permanentemente com a alma esticada pela distância.
Vivia e vive nos confins do Cunene, rodeado de gado e espaço sem fim. Toma o matabicho na varanda e vê os elefantes a beber água no rio. Não quer viver noutro lado e eu sei do que ele está a falar.
Um dia, sem qualquer aviso prévio, teve uma dor intensa no peito que se manteve agonizante durante horas. Sem recursos próximos, meteu-se no “jeep” e desandou para Sá da Bandeira. Seis horas de caminho, por aqueles trilhos de Deus e com a dor a torturá-lo. Imagino vagamente o sofrimento por que terá passado. Todos os dias vejo doentes nesse estado e a dor é realmente muito difícil de suportar.
Finalmente chegou ao Hospital de Sá da Bandeira, foi visto pelo médico, medicado com aspirina e evacuado para Luanda. Quero crer que a aspirina lhe foi dada com conhecimento de causa, mas o mais provável é que não houvesse mais nada para lhe dar. Seja como for, o médico deu-lhe sabendo ou não, o único medicamento que naquelas circunstâncias, provavelmente lhe salvou a vida.
Ouvi estarrecido, esta história. Fiz o diagnóstico rapidamente, quase só pela conversa. Após os exames, confirmei-o. Tratava-se obviamente de um enfarte do miocárdio e, todos nós sabemos que um grande número de doentes morre na primeira hora após o início da dor. Internei-o e estudei-o, após o que decidi submetê-lo a angioplastia coronária, técnica de dilatação das artérias coronárias, feita através de uma artéria da perna.
E aqui começou uma das intervenções mais épicas que fiz na minha vida.O meu amigo é um homem valente, não poderia ser de outro modo para alguém que vive o tipo de vida que ele vive, mas em se tratando de agulhas e intervenções e médicos o caso muda de figura.Em determinado momento da intervenção, com ele já em choque resolvi acabar com a brincadeira. Solicitei a anestesia geral e pude finalmente fazer o resto da angioplastia em paz, estabilizando-o devidamente.
Alguns dias depois, com a minha pele de médico vestida, tive uma conversa séria com ele. Disse-lhe que teria que mudar de vida, submeter-se a consultas de controle, viver pacatamente e sobretudo não fazer grandes esforços.
No mesmo momento a cara dele disse-me tudo aquilo que eu na altura não queria ouvir.
Regressou ao Cunene e, por lá tem estado. A última vez que falei com ele, disse-me que se as chuvas o permitissem viria cá para me satisfazer. Claro que não veio.
Não estou dividido. A minha alma de angolano compreende o que se passou. Fico muito feliz por saber que pude dar a alguém uma segunda oportunidade de fazer o que gosta. Um dia, espero que distante, vai morrer no Cunene vendo os seus elefantes. Prometi que o ia ver em Fevereiro e noutros Fevereiros quando regressar à minha terra. Quero poder ver os elefantes de que ele tanto fala e ouvir as histórias maravilhosas que tem para contar.
Falta-me dizer que este meu amigo é como eu, como muitos de nós de uma cidade linda chamada Benguela.
Falta-me também dizer que este ser humano fantástico, que conduz tudo o que é conduzível, que vai à África do Sul e comboia rebanhos de gado até ao Cunene, teve poliomielite estando paralisado da cintura para baixo!
GED

quarta-feira, julho 18, 2007

RE-LISBOA

Voltemos a este tema das eleições. Desta ou de qualquer outra. Os derrotados, fazem discursos assumindo as responsabilidades e demitindo-se. Claro que todos sabemos que dentro em pouco, farão parte de um qualquer grupo de gestão de uma conhecida gelataria ou retrosaria. E, regressarão com toda a arrogância que lhes é conhecida.
Os outros, aqueles que estão à espreita do poder, anunciam que se houver uma vaga de fundo se candidatam, para substituir os líderes derrotados. E, pasme-se, agora sim, o país vai entrar em novos rumos. Não sei até quando isto vai continuar, mas tenho a certeza que um dia vai haver um desastre. Não digam que não avisei.
Qualquer idiota, perceberá o que vai acontecer a esse partido conhecido como PSD. Há estruturas que por muito fortes que sejam, não aguentam tudo.
Com a saída de Durão Barroso, que não dava qualquer garantia de que as coisas corressem bem, abriu-se a porta a Santana Lopes, depois a Marques Mendes e se houver a tal vaga de fundo, ou mesmo que não a haja, vai aparecer um tal de Menezes.
Pois é, nenhuma estrutura aguenta isto. É quase o mesmo que um tsunami e um terramoto juntos.
Por mim, que não perfilho esses ideais políticos, olho para este grupo com simpatia e até com algum carinho e, lembro-me daquela velha frase do antigo regime - viva o progresso na continuidade.
GED

domingo, julho 15, 2007

LISBOA

Já o disse anteriormente aqui. A História não se repete.
Paulo Portas já morreu há algum tempo e, ainda não se deu conta disso. Hoje morreu mais um bocadinho, ele e o outro de quem não lembro o nome.
Não me interessam de todo as eleições em Lisboa.
Interessa-me sobretudo o funeral repetido ad eternum desta direita bacoca, que teima em nos zumbir aos ouvidos. É sempre um espectáculo confrangedor mas necessário.
E depois, aqueles discursos que eles fazem na hora de explicar os motivos do funeral!
"Quero dizer-vos, caros companheiros, que assumo pessoalmente a culpa do fracasso...blá, blá, blá...".
O homem de quem não me lembro do nome, acha que eu me iria oferecer para culpado no lugar dele? Achará, que eu me importo com as culpas dele? Assumir pessoalmente as culpas faz dele um herói? Pensará ele, que com este discurso, o povo vai admirá-lo?
Coitados, que ainda não perceberam que o povo, está-se completamente nas tintas para estes idiotas!!!

GED

sexta-feira, junho 29, 2007

NOS BRILHOS...

Há cerca de um mês, ofereci a um grande amigo meu, um pisa papéis com um coração dentro.
Na secreta esperança de que o sol lhe trouxesse alguma alegria.
Sei, mesmo que não o diga, que morre de saudades, do sol, do velho sol tropical, que nos acariciou a pele nos tempos de antigamente.

Um abraço

GED

CONSISTÊNCIA

Corro o risco de ser exonerado, mas mesmo assim...
O Ministro da Saúde é o mais consistente deles todos, já o disse. Cada vez que fala diz asneiras e, alguém vai ter que pôr cobro a isto.
Agora passou muito além das marcas.
A propósito de uma médica que exonerou, disse textualmente numa entrevista à TSF: coitada... não tinha preparação para o lugar!
Está na altura de chamar o Capitão Marvel ou o Super Homem ou outro super herói qualquer

GED

quarta-feira, junho 13, 2007

LUANDINO


12.06.2007
Fui convidado para um almoço, onde iria estar Luandino.
Nem pensei duas vezes. Conhecer este homem, era conhecer alguém muito intímo ao longo de toda a minha vida.
Não me arrependi.
Fui encontrar um guerrilheiro "reformado", de bem com a vida e de uma doçura enorme.
Contador de histórias, brindou-nos durante todo o tempo com muitas de encantar ( de amor e riso como ele diz).
Continua a ser para mim, um dos mais brilhantes ficcionistas mundiais.

Um abraço
GED

quarta-feira, maio 30, 2007

PORTUGAL E O FUTURO

Em tempos foi publicado um livro com este título, que ajudou a mudar os destinos deste país.
Agora, estamos de novo numa encruzilhada e não se vislumbra qual o caminho a percorrer.
Tudo aponta para que o futuro estável, de qualquer país e particularmente o nosso, passe por uma maior qualificação de toda a gente, melhor dizendo, por uma preparação mais cuidada e por um ensino digno desse nome.
É possível que o Ministério, esteja a fazer um bom trabalho. Mas também é possível que esteja a ver a árvore sem ver a floresta. Eu explico.
Há vários actores neste ramo, dois dos quais são os progenitores e os estudantes própriamente ditos. E aí as coisas vão de mal a pior.
No tempo de fascismo (leve-o o diabo), os professores eram encarados sériamente, diria mesmo com veneração e não me lembro de alguém se atrever a fazer mal a um professor. Talvez porque no tempo fascista era assim ( embora também o fosse nos países civilizados ), agora tem-se vindo a renegar isso como se de um acto aviltante se tratasse. Claro que nos países civilizados, os professores continuam a ser encarados como sempre!
Aqui, os professores são maltratados por toda a gente, sem cuidarem de perceber que estão a hipotecar o futuro dos filhos. Até há psicólogos, que avaliam os estragos que os malditos professores provocam nas criancinhas!!!
Os outros actores vão pelo mesmo caminho. Há dias, falando com um amigo meu ( por acaso doutorado em Inteligência Artificial ), constatamos que o ensino de hoje em dia pretende ser lúdico. Aprender com prazer.
Não sei onde foram buscar este chavão, mas a verdade é que dá frutos.
O que se constata, transversalmente ( desde a pré-primária, até à faculdade ), é que logo que o ensino deixa de ser lúdico e começa a dar um pouco de trabalho, já ninguém gosta (nem pais nem filhos), os professores são uns bandidos e lá vem o psicólogo ou semelhante, dizer que os meninos vão ficar com marcas psicológicas para a vida inteira.
Os checos, polacos, bulgaros, franceses, belgas, espanhóis, etc, que não têm psicólogos, nem se detêm muito sobre estas questões, vão rápidamente explicar aos portugueses, cá em Portugal, a razão de irem ficando à frente nos concursos, que hão-de vir cá disputar legalmente, pois estamos todos nos E. U. da Europa. Depois, venham dizer que há muitos diplomados no desemprego...

sexta-feira, maio 11, 2007

PAZ?

Então façam o favôr de ler, o que está aí em baixo - a data é de 25/04/2007 e tem patrocinio da Petrobras
25/04/2007 - 9:42
Livro Retrato da Paz registra história de Angola

Pula” é a forma como o angolano se refere ao branco português. A alcunha carregada de agressividade, resquício do ressentimento pelos colonizadores que exploraram as riquezas naturais da região durante quatro séculos, tem rapidamente o tom hostil substituído por largo sorriso quando o sotaque é brasileiro. O visitante vira convidado.

Foi assim, convidados e também se convidando, que os jornalistas paranaenses Leandro Taques e Julio César Lima, fotógrafo e repórter, se infiltraram por 40 dias em meio à população de Angola no final de 2006 para produzir o livro O Retrato da Paz, recém-lançado em Curitiba e com previsão de chegar a São Paulo e Rio nos próximos meses. Com patrocínio da Petrobras, os dois jornalistas percorreram 6,5 mil quilômetros das 18 províncias que compõem o país, para contar em textos e fotos as histórias do recente pós-guerra angolano.

Encontraram homens feridos por milhares de minas que ainda ocupam a maior parte do território de Angola e impedem o desenvolvimento da agricultura local; viram de perto a miséria que assola o país; visitaram cidades dizimadas pelos combates de três décadas e presenciaram acima de tudo a vontade da reconstrução. “O clima é de arregaçar as mangas. A sensação é de que todos estão unidos para construir um futuro de paz e não deixar mais se repetir a história das últimas gerações”, comentou Taques em entrevista exclusiva ao Estado
.
Este é um dos inúmeros mails que me mandam.
O Brasil é inquestionávelmente, um país fantástico. Tem recursos económicos, intelectuais, culturais que o tornam um dos países mais avançados do mundo. Seria por isso de muito mau gosto, inferir que a enorme quantidade de prostituição que nos chega, vinda de lá, representa todos os brasileiros.
Posso no entanto dizer que também lá existem atrasados mentais e, pior do que isso, gente que não se coíbe de dizer seja o que for para ganhar uns cobres e ter alguma notoriedade.
Branco português, explorador, hostil. Este "escritor", de uma penada, limpou séculos de história e pior do que isso, ignorou toda a luta de resistência dos angolanos (negros, brancos, azuis, amarelos etc.). Ignorou que os angolanos e portugueses circulam livre e pacatamente entre os dois países e se assim o quiserem, aí vivem calmamente sem ter que se preocupar com conceitos que há muito ambos os povos ultrapassaram. Ele sim demonstra um racismo primário, básico.
As minas ocupam ainda a maior parte do território de Angola? Ora aí está uma coisa que eu não sabia. Também não vou explicar ao dito senhor o que se passa, pois ele passou aí um ror de tempo e, portanto deve estar muito bem informado.
Miséria que assola o país? Estamos a falar do Sudão, da Etiópia? Eu viajei milhares de quilómetros, com atenção ao que me rodeava. Há inúmeros problemas para resolver, tarefa ciclópica num país tão grande, mas miséria? Não vi. O que vi, no planalto central e na ligação Luanda-Lobito, foram lavras imensas de milho, mandioca, batata doce, fruta aos trambolhões, muito gado, galinhas, porcos, cabritos.
Não me foi dado ver gente a explodir de fome, ou na miséria como se diz.
É caso para dizer e perdoem-me o vernáculo. Pula que pariu.
GED

segunda-feira, maio 07, 2007

ALBIE SACHS

ANC. ÁFRICA DO SUL. ALBIE SACHS

Faz sentido lembrar.
Albie Sachs, advogado sul-africano branco, defensor destacado dos Direitos Humanos nos tribunais, militante do ANC, preso, exilado, professor de Direito na Universidade de Southampton, e depois, na Universidade de Maputo, onde viveu dez anos, autor de vários livros, era por tudo isto, um dos principais alvos.
Acabou por ser atingido por um atentado, e por ficar entre a vida e a morte e gravemente mutilado.

Já agora leiam na integra a história deste homem: "A suave vingança de um combatente da liberdade".

GED

quinta-feira, abril 26, 2007

Peter Gabriel - Biko

Tem-se falado muito dos nossos heróis africanos. nunca vi quaquer referência a Stephen Biko. No entanto, é um dos heróis do ANC e morreu por isso.

Closer Movie Soundtrack - Damien Rice-The Blower's Daughter

Enquanto vê o blog, não deixe de ouvir esta preciosidade. E já agora, veja o filme.

segunda-feira, abril 23, 2007

MEDICINA

Hoje apetece-me falar sobre supertecnologias.
Dantes, sempre que uma artéria se encontrava "entupida", o único recurso era a cirurgia, fazendo recurso a pontagens sobre a zona em questão.
Actualmente ( há cerca de 20 anos), é possível, numa percentagem muito alta, intervir de fora, através de uma artéria periférica qualquer, e aceder à zona lesada, colocando aí uma malha metálica, que resolve o problema. Para o paciente, é uma picada e alta no mesmo dia ou seguinte.
Este tipo de tecnologia, tem evoluido colossalmente, de tal modo, que já é uma rotina de milhares de casos/ ano, nos hospitais que têm profissionais nessa área. É possível hoje em dia tratar artérias prácticamente em qualquer parte do corpo : coronárias, femurais, carótidas, subclávias, hepáticas, etc.

Não sei porquê, hoje apeteceu-me falar destas coisas!

GED

domingo, abril 22, 2007

EUSÉBIO



Faz parte do meu imaginário, como poucos.
Vi-o jogar muitas vezes na Catedral. Jamais lhe poderei dizer, as alegrias que me proporcionou.
Agora está doente. A vida não pára e ambos estamos muito mais velhos.
Espero que ultrapasse isto e se mantenha firme. Um dia, o Benfica ficará mais pobre, todos nós ficaremos, mas espero que seja daqui a bastante tempo.
Portugueses célebres?
Há muitos, mas este é seguramente um deles.

GED

sábado, abril 21, 2007

SAUDADE

Fez ontem um ano.
Na maior parte dos dias, vou compensando com o trabalho e com a família, e a vida vai seguindo calma.
Na maior parte dos dias, também, há momentos em que me apercebo de que jamais o voltarei a ver.
Agora, apenas mora cá dentro.

GED

quinta-feira, abril 19, 2007

AQUECIMENTO GLOBAL - CLIMATE CHANGING

Não comento o texto. Já o fiz à exaustão.
Leiam, comentem-no vocês!
"...Atingimos um patamar e enfrentamos duas alternativas: uma é demasiado terrível, e a outra dá-nos a possibilidade à justa de continuarmos a crescer e a prosperar, mas dentro dos limites ecológicos do mundo que habitamos.
...As alterações climáticas representam uma ameaça para a civilização tal como a conhecemos. Constituem um problema para todos nós, e não apenas para um pequeno grupo de activistas ambientalistas ou para uma elite de decisores políticos internacionais. os governos e as indústrias, em particular, terão de assumir um papel de liderança corajosa e vital. As soluções, no entanto, não se encontram apenas no domínio dos recursos políticos ou técnicos. Se queremos ganhar a guerra contra as alterações climáticas, teremos todos de tomar parte nela...
(in Os Senhores do Tempo - Tim Flannery)

quarta-feira, abril 18, 2007

JORNALISMO

Falar sobre o caso Watergate, é falar sobre jornalismo sério, com riscos evidentes para os profissionais. Notícia cá fora, balizada por pesquisa séria e concreta. E, caíu um Presidente e muitos mais à volta. Já vi o mesmo ser comparado com este caso ridículo que assola o nosso país. É verdadeiramente insólito e faz-me pensar naquela célebre frase: não confundir Manuel Germano com género humano!!!
No caso caseiro ( Sócrates ), assiste-se a quê?
A um acusado que não desmente cabalmente o crime que se lhe atribui.
Mas nem antes, nem depois dos esclarecimentos, a nossa imprensa foi capaz de demonstrar preto no branco, a veracidade do que afirmava.
E, o povo que não é parvo, apesar de todas as partes pensarem o contrário, vai tirando as suas conclusões.
Evidentemente que estou, sempre estive aliás, contra a censura. Mas estou também contra a arrogância de uma imprensa que diz à exaustão, que não precisa de regulação, pois tem mecanismos autoreguladores internos.
Atitude corporativista, do pior que conheço.
E, o que é pior, estamos todos em risco de a qualquer momento, (basta que a notícia aumente as tiragens!) sermos alvos de insinuações que só depois, nós próprios teremos que provar que são mentira. Verdadeiramente, num estado civilizado, qualquer notícia deste género, que envolvesse a dignidade de terceiros, deveria ser irrefutável.
Democracia?
Não me parece.
Mas, isto sou eu a divagar, devagar.
E, continuo sem saber, eu e todos os portugueses, se o nosso primeiro é ou não Engenheiro. Não que me interesse o facto em si. Mas, detesto quem mente. E, detesto muito mais, quem lança insinuações a coberto de um poder que não sabe de todo exercer.
Continuamos atentos, todos nós, para ver onde isto vai acabar.
GED